quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Calado




Fico assim calado
do meu lado
trocando em miúdos as memórias
relutando com meu humor
cortando e colando meus dias ruins
pesando meus índices de ebulição
tecendo meu casulo
esperando sol e dia próspero
sigo assim...

Sigo sem ler algo interessante
poucos me lêem
pouco tempo eu percebo minha sombra
quase não rimo
o amor é contado em prato raso
em xícara modesta
em sofreguidão das minhas mãos
em paisagem urbana.

Fico calado
ao meu lado
respeitando quem não me respeita
querendo ser mais paciente, obediente...
Sigo calado
sem ler vozes
sem escutar letras
assim deixo de agonizar na prancha deste navio
deixo as solenidades intermináveis
mais por estar ausente
do que meu corpo presente.



Recriando

Páginas de outras melancolias

Os caminhos que sigo não são os melhores, mas certamente faço da minha vida o que bem entendo.
Talvez não entenda de gente, ou mesmo da vida, mas vivo intensamente.
Sou eu quem me aturo e parabenizo. Sou eu meu companheiro, meu confidente.
Quem manobra meu palhaço e quem esfola de gargalhar, escreve estas linhas e fingi sorrir para não chorar.
Quem equilibra a cãimbra do engasgo, do vômito pela hipocrisia e modera o consumo, inala o amor viril do texto apaixonado para revidar algo que não foi dado.
Talvez minha maquilagem penetre a sociedade ausentando meu personagem e deixando a mostra o verdadeiro palhaço que habita o reflexo.
Sou de carne nua, pois sou o que sei, o que sou depende do nível de atrocidade com que me julgam.
Sou réu confesso, pois não faço parte do banquete indecente dos depravados sovinas que vendem a noite para comprar o dia.

Minha integridade são passos equilibrados e distantes da sujeira do nome daqueles que se ridicularizam por esmolas voláteis.

Eu continuo.

Poucos escutam, ou chegar a ler, mas quem aqui chegar, saiba que não estou a venda!
P.S. - Todos os créditos da imagem para: http://www.mtf.pt/galeria/data/media/1/profundidade.JPG
Obrigado!

5 comentários:

Esyath disse...

Se trata de uma confissão humana?
Ou de uma observação coletiva?
Sabe que o vi?
Muitos "eus" que juntos... formam a tal sociedade...

Beijos (Des)conexos!

Morena disse...

Epa primeira!

Então tbm n estou a venda!!
Bjokas

Palavras de um mundo incerto disse...

ESSE MEU IRMÃO, SEMPRE ARREBENTA QUANDO SENTE-SE A ANGÚSTIA NAS MÃOS, NAS PERNAS, MAIS FORTE QUANDO CHEGA AO OLHOS. DAÍ O CORPO JÁ ESTÁ DOMINADO.

IRMÃO QUERIDO, FICO PENSANDO EM MUITAS COISAS. GOSTO DE ESCREVER E DE LER. ESCREVO NO MEU BLOG
COISAS FANTÁSTICAS QUE POUCOS LÊEM OU ENGANAM QUE LEIAM. APRENDI E NÃO LIGO MAIS PRA ESSAS COISAS. ONTEM E QUASE SEMPRE FICO PENSANDO E IDEALIZANDO ESTA FRASE: EU SOU ESCRITOR. TORNAREI-ME RECONHECIDO QUANDO MORRER. BAH, ANDO DEIXANDO TUDO NA LITERATURA DO FUTURO, NO UNIVERSO QUE HÁ AINDA DE CRESCER MAIS AINDA, A INTERNET. MEU MANO, ESPERO QUE TUDO ESTEJAS BEM CONTIGO.

ABS PRA TI E ESSE ANO NOSSO TIME VAI SER CAMPEÃO.

UM ABRAÇO COM CARINHO E SAUDADE DE TI.

Marcos Seiter

Lumena Vilante disse...

ADORO O QUE VOCÊ ESCRVE, E CADA PALAVRA CONJUNTA Á PROXIMA, VAI TESCENDO ESTE CASULO TEXTUAL, QUE GUARDA EM SEU INTERIOR UMA MARIPOSA FEITA EM VERDADES, POESIA COMPONDO UMA TRANSFORMAÇÃO RASGADA E PROFUNDA PARA O LEITOR AFORTUNADO.

Diego8taylor disse...

gostei :)