sábado, 22 de março de 2008

Exílio... de mim.

Cobre meu corpo.
Reza e acenda vela.
Tampe minha palidez.
Flores eu não gosto... o cheiro.
Guarde meu peito,
Com minhas mãos,
Meu peito.
O preto não lhe cai bem, então,
Que seja branca a veste.
Sem choro.
Carregue para o calvário.
Enterre palavras.
Desfaz de mim.
Dance se possível for.Deixe calada e mais nada.

6 comentários:

Morena disse...

AAAAIIII Mto triste!!!
Deu até vontade de chorar!
Bjokas
Boa páscoa!!!


P.s: como assim o antivirus n deixava vc entrar no blog é isso?

Uma vencedora... disse...

Oie meu amigo!!!

Claro que podes guradar o texto pra você...

Vou te contar um segredo, isso aconteceu na minha vida quando eu tinha 20 anos... Foi o meu primeiro namorado!!!

Os três anos foram unicos, mas passou...

Bjs

Janaína

Carolina; respira-me disse...

Ahhhhh ALEXANDRE!

Você faz com que eu me sinta tão especial! Confesso que chorei ao ler seus comentários. Se todos me tratassem da maneira que você me trata, creio que minha luz, sairia de dentro de mim. (:
Ah, obrigada. Que felicidade imensa, até dói! (:


Exilar de si mesmo, é algo que todos gostariam de fazer, pelo menos duas vezes. Porém, isso não engrandeceria ninguém, acho que tirariam nossos sentimentos, nos deixariam ocos e sem expectativas, porque sem dor não há salvação. E poder exilar de si mesmo nos deixaria sem noção do que são os problemas.
(Espero que você entenda esse meu raciocínio, acho que não consegue deixá-lo explícito)

Sofrer por amor, eu nunca tinha sofrido. Agora estou sentindo na pele, estou fraca sabe? Só que não me apaguei, estou confiante também.
Uma vez, eu li uma frase da Clarice que é assim:
'Então por que a prisão?
Porque a liberdade ofende!'
E eu levei a crer que realmente ofende. Meu amado é um pássaro. Livre demais. E eu também sou assim. Mas perto dele, sou passarinho. Estávamos disputando liberdade.
E eu, estava me sentindo vazia, porque perto dele não sabia me ser, ficava ofuscada.
Mas o sentimento, o desejo era forte. Não era demonstrado, mas eu sabia que era forte. Ele por se mostrar longe de mim, deixava isso claro, pois quem voa, não quer fico preso à terra.
Mas foi um namoro juvenil, mas mecheu comigo.
Mas precisa passar, porém meu coração diz que ainda vamos ficar juntos de novo. Só que não sei se isso será real, só o tempo né?
E sabe, sua liberdade me ofendeu. Capaz que a minha o ofendeu também.
... =/

Ás vezes sou meio confusa e creio que confundo a quem me lê.
Mas ao ler teu comentário, ao ler que sou sim uma menina que sabe amar, vi que você me respirou com toda sua alma. Me sentiu. Me fez sentir mais que um coração batendo no mundo, me fez ser uma voz que é ouvida. Estou radiante. Aquele texto guardarei sempre comigo. Porque é parte de mim, assim como você poeta.
Muito obrigada.


E sabe, se você for se exilar de você, se exile o tempo necessário, depois volte ao mundo com todo brilho possível. Não ofusque nunca seus sentimentos e seus pensamentos, porque isso é o motivo de muita dor.
O seu eu é maravilhoso, é de querer sempre. Sua pessoa é de infinita luz. Você é especial!
E escreva sim esses poemas e textos lindos, porque eu estarei sempre aqui, pra te respirar.


Grande beijo, Feliz Páscoa!

Carolina; respira-me disse...

desculpe qualquer erro gramatival.
;*

ALF disse...

Profundo. Um poema fugaz, encriptado nesse desvairio de sentimentos.

Belo, simplesmente...

;)

Abraços

Uma vencedora... disse...

Feliz páscoa!!!

Bjs

Janaína