domingo, 23 de setembro de 2007

O Flagelo e meu silêncio


Sempre faço um esforço para livrar minha alma da perseguição. Não sei o que acontece, ou o que passa na cabeça daqueles que concentram algum tipo de poder. Confesso que já me cuspiram, me rasgaram, me amaldiçoaram, ridicularizaram, mas mantenho a minha compostura. Eles tentam me ofender e maldizer, mas fico e não deixo a luta. Bom, para eles é uma luta, para mim... não me importo em ter o rosto surrado e ter o corpo flagelado. Eles tentam derrubar o bem que existe em mim, mas não conseguem, pois meu sorriso e minha vontade de viver e seguir adiante é muito maior.

Não tenho qualquer tipo de sentimento por essas pessoas. Não tenho raiva, não sinto pena, não sinto nada. Enquanto eles se preocupam em deformar minha índole, eu respondo bem alto com meu silêncio. Deixo todos surdos.

Meu olhar não deixa de ser feliz, minha vida não deixa de ser maravilhosa e tudo que meus pais me ensinaram permanece como um perfume eterno.

Que fique claro:

- Não sinto medo!


Mesmo que chegue minha hora, mesmo que para alguns seja motivo de felicidade... eu estou preparado e não tenho medo.


Se eles fossem seres humanos, talvez soubessem ser melhores. Melhores para vida, para o mundo, para os outros...


Eu estou aqui e não fugirei... não mesmo!

As palavras e os atos atirados contra minha carne, não ofendem meu CARÁTER!


TENHO FAMÍLIA! EDUCAÇÃO! ÍNDOLE! HOMBRIDADE! HONRA! SABEDORIA! LUCIDEZ! BONDADE!


e tudo meus pais me deram...


Não tenho medo da luta dita, pois não percebo batalha... vejo apenas agressões em uma pessoa que apenas quer fazer o BEM!


Meu respeito por aqueles que merecem ter!

3 comentários:

Kari disse...

Eu li esse texto ontem, quando ele tava lá em baixo, mas eu não sabia o que comentar. Li várias vezes, confesso.

"Não tenho qualquer tipo de sentimento por essas pessoas. Não tenho raiva, não sinto pena, não sinto nada. "
É, algumas pessoas são indiferentes pra mim, principalmente quando tentam me derrubar.

É engraçado, pois, por mais que digamos que não nos afeta a opinião alheia, ela sempre acaba esbarrando na gente. Por mais que não queiramos vê-la, nem ouvi-la, ela sempre parace maior, sei lá...
Não sei se me perdi no meio do caminho, mas era isso...

Beijão

Krika Muniz disse...

Olá Alexandre, vim conhecer e que prazer em conhecer, estava lendo um pouco da sua tragetória por aqui... e que linda tragetória, Bienal... meu sonho de criança um dia estar ali... lançando um livro meu... a anos estou afastada do circuito cultural do Rio esse ano nem a bienal pude ir... uma pena... mais estou feliz em conhecer e se me permitir um novo amigo blogueiro e amante das letras como eu... muito prazer Alexandre... e voltarei sempre... Um grande beijo!!!

Palavras de um mundo incerto disse...

Bah,IRMÃO,

Demais, demais.

Nossos pais, os melhores conselheiros e as pessoas mais sinceras de se ouvir e seguir os seus dizeres.

Tudo o que eles nos passam como tu disseste, dura eternamente, isso sim, é maravilhoso.

Abs e boa semana!

Marcos Ster