segunda-feira, 19 de novembro de 2007

A poesia que fenece sobre a fé dos devotos




Tão raso quanto sou, mal posso perceber

a presença de alguém...

por aqui.




A poesia que fenece sobre a fé dos devotos

A lentidão deixa tão turva a imagem quanto a velocidade,
Desfoca
Contorna a nitidez, ultrapassa o limite,
Abdica a sensibilidade
Infringi a dimensão,
Range os dentes para o desvario
Protege-se do que não vem,
Deixa-se atingir pelo declive do corpo
Que tende a perder o incitamento.

A terra é esmagada pela raiva das mãos.
A terra lavada do sangue, alimentada pela carne
Fincada pela insígnia cruciforme
É detida em várias de suas fugas
Servindo de “manivela de realejo”
Erguendo a imundice presa ao braço falto...
Queda!

Queda!

Roja com penitência
Prende-se às grades do deslumbre humano
De certo modo
Entremeia riso e choro pela violação;
As árvores aspergem mais precipitações contaminadas,
Enquanto o céu desfolha e transmuta
Um cinza “coito forçado”
Penetrando o medo no olhar ignóbil
E para trás, além das manchas de sangue,
Marcas na terra.

Devora impurezas
Com a boca farta de ranhuras
Com a contração súbita de seguir
Sem a decência da distinção
Quão devagar
De vagar...
Sem o decoro...
Efêmero!

E a água ajuda a decompor a poesia
De braços estendidos,
De vestido rosa rodado,
Suja...
E a terra absorve as palavras separadas
Da boca semi-árida
Reprimida da liberdade...
E as folhas abrigam
Como mortalha
A obra inacabada.


(Hallais, Alexandre – Rio de Janeiro, 22 de outubro de 2006)

21 comentários:

Kari disse...

Já te disse que tu és um dos meus poetas preferidos?
Olha, eu amo os poetas, todos eles, mas os preferidos são muito poucos, viu?

Gostei muito dessa poesia, muito mesmo.

Ei... tava com saudade dos teus comentários!

Beijão!
Kari

Krika Muniz disse...

Só hoje já reli umas dezena de vezes... e a cada uma tenho novas impressões e sensações... sem duvida nenhuma intrigante e apaixonante... um grande beijo querido amigo... saudades!!!

Krika

.:Tati Sabino:. disse...

Oi..Obrigada pela visita, vc escreve muito bem... volto com mais calma para ler os outros,OK?!
Bjão..

Krika Muniz disse...

Olá meu amigo... bom tem um Meme essa semana lá no blog não precisa responder a ele não...rsss... mas se quiser sinta-se a vontade... Beijinhos!!!

Krika

Kari disse...

Meu caro Alexandre,
e eu fico tão feliz quando um homem me diz que não tem vergonha de dizer que chora.
É tão bom ver homens com sentimentos, sabe?
É que, nessa sociedade machista em que a gente vive, dizem que homem não chora e nem é sensível.
Mas eu discordo tanto disso, pois como eu sempre dizia a uma amiga, a coisa mais lindo do mundo é ver um homem chorando, pois naquelas lágrimas a gente percebe um sentimento e uma sensibilidade que é sempre tão escondida.
E eu não vejo nada melhor do que o choro. Sim, existem os bons e os ruins, mas choro é sempre choro e sempre alivia a alma.

Desculpa, acabei me empolgando, mas é que eu precisava conversar com alguém e acabei te escolhendo.

Beijão,
Kari

luma disse...

Não tem nada de raso e não percebe porque não quer! O poema é quase auto destrutivo, de tão rico e forte de emoções. Boa semana! Beijus

carolina; disse...

estamos vivos alexandre!
viver é o segredo maior. se as vistas embassam, só você pode resolver!
Que poeta heim? Que poesia heim?

VOCÊ TEM O MUNDO NAS MÃOS!

beeejão

complicadinha disse...

Oi Alexandre.
Ao invés de algo raso, percebo profundidade.
Raridade... em cada um dos textos aqui encontrados.
Bjo

Kari disse...

Eu é que agradeço por tu fazer parte da minha vida!
E não se preocupe, pois nunca sairei dela e espero que faças o mesmo!

Te adoro, visse?
beijão!

Kari disse...

Não se preocupe meu amigo,
eu jamais iria te expulsar!

Há algum tempo eu não sabia valorizar as pessoas especiais pra mim, hoje, talvez por elas não estarem mais tão próximo a mim, eu aprendi a valoriza-las cada vez mais!

Beijos

Uma Sobrevivente disse...

Amigo,

Quero te pedir para que tenha paciencia comigo e não delete o meu blog dos seus preferidos, pois estarei reabrindo-o em breve e poderei colocá0lo na ativa novamente...

Adorei a sua visita, tenho estado abandonada mesmo, mas volte por favor!!!

Bjs

JR

Menina Lunar disse...

Nossa!!!

Sabe qual é a coisa melhor do mundo?

Passar um tempão nadando em livros e estudando genética, sintaxe, geomorfologia, fórmulas, fórmulas e fórmulas, e tudo que há de mais chato, pra depois vir aqui nesse casulo e descansar mente e alma lendo os textos perfeitos que você escreve.

Tô encantada com a beleza da tua poesia dançando aqui na tela. Fantástico, viu?

Tava com saudades!
Beijos e beijos.

Um Momento disse...

Parabéns!
Passei para visitar... e...
Estou encantada

(*)

Micha Descontrolada disse...

q saudade daqui e de suas belas palavras..cada dia mais belas..vc é um artista.


/(,")\\
./_\\. Beijossssssssss
_| |_.................

Micha Descontrolada disse...

aff..kd meu comentário? sumiu...
saudade daqui e de suas belas palavras..cada dia mais lindas.


/(,")\\
./_\\. Beijossssssssss
_| |_.................

тαynαн disse...

Raso? És tão profundo quanto o mar,
e como ele, guarda em ti muitas coisas que vão além da imaginação.
Não olhas por motivos próprios, creio que teus olhos alcançam além do horizonte.
Bom texto.

Beijos.

carolina; disse...

alexandre, eu vivo de amor. sem amor não sou nada. o amor deixa minhas veias mais fortes. por isso amo o que tu escreve, amo meus amigos, amo você. você, um alguém que escreve coisas são 'eu' e me faz refletir por minuuuuutos. um dia vou ter um livro teu na minha prateleira, assim medito mais teus pensamentos e conhecerei você mais ainda!

mas me basta - muito!- o que tu escreve. suas palavras penetram na alma que de quem lê e respira, e não de quem passa os olhos.
poetas como nós vivem de intensidade e não sejamos burros de negarmos o que somos - POETAS!

já que não podemos mudar o mundo, podemos tentar distribuir nossas palavras aos corações de óculos. e isso tu faz no meu. me enobrece ler-te!


grande abraço! uma semana repleta de intensidade.

Janaina disse...

Vim aqui fazer uma visita e gostei muito, você escreve super bem.Já escreveu um livro.
Bom conhecer mais um blog do Rio.
Beijos.

coisas&letras disse...

Delicia, Delicia, Delicia... é assim que é ler-te... é uma escrita elegante e fluente...
É muito bom e pronto....!

Beijo de letras:)
C&L

Reticências disse...

Oi poeta, como vai?
Sua poesia, sempre irretocável.
Fenecem-me as últimas esperanças, mas continuo aqui, remando contra a maré...

Bjo

Palavras de um mundo incerto disse...

Bah, irmão! a cada poesia que eu leio, e de sua autoria, fazem-me pensar em várias e várias outras coisas, como dor, paz, guerra, amor, afeto, carinho e paixão, sacrifício e folgação. Surgem-me inúmeras idéias e visões do mundo.

Eu nem acredito que logo logo estarei com seu livro em mãos.

Irmão, uma boa noite pra ti!!!

Abs e até mais!!!

Marcos Ster